Comecei hoje a hidroginástica. Depois de uma série de contratempos, como um quisto inflamado e uma gripe FDP, finalmente pude dar início à minha enésima tentativa de praticar uma atividade física.

Aproveitei o fato do tempo estar quente e de eu gostar muito de água para ver se dessa vez eu pego no tranco!

Minhas coleguinhas de malhação são em sua maioria bem mais velhas. É bom porque do jeito que eu estou enferrujada, não corro o risco de ficar pagando mico sem conseguir fazer as séries que o professor passa.

Não que seja moleza. Aliás não tem moleza não! Só não tem muito impacto nas articulações, mas dá pra queimar umas boas calorias.

Reparei sem surpresa que só tinha um homem na turma. Velho, é claro. Mas só um.

Cadê os aposentados que não aproveitam o tempo ocioso para se exercitar? Será vergonha? Homem tem dessas coisas. Acham que qualquer coisa depõe contra a masculinidade deles.

Se eu fosse ministra ou deputada, faria um projeto de lei proibindo os homens de se aposentar.

Homem não sabe viver sem trabalho. A mulher quando se aposenta rapidinho arruma um monte de coisas para fazer. O homem não. Fica dentro de casa, enchendo o saco da mulher e mal humorado. Receita infalível para um piripaque a curto ou médio prazo.

Talvez por isso a média de vida deles seja menor do que a nossa.

Os homens que eu conheço que continuam ativos depois da aposentadoria conseguiram se realizar através de um novo trabalho. Meu pai inclusive.

Atividades prazeirosas ou não remuneradas, nem pensar! O negócio é produzir.

Já a mulherada quer mesmo é ser feliz e se divertir. Já ralou muito, já criou os filhos, já fez sua parte. Mulher é mais zen…