Ah, que delicia o friozinho que faz nessa época do ano nessa terra calorenta!

Mesmo que faça calor durante o dia, à noite é sempre fresquinho, e podemos dormir decentemente.

Não gosto de temperaturas extremas. Já senti na pele um calor duzinfernu e um frio ducaraiu. Nenhum dos dois é bom.

Para cariocas qualquer temperatura abaixo dos 20 graus é motivo para tirar dos armários os casacos, cachecóis, edredons e cobertores.

Também é motivo para estreiar aquela bota novinha comprada em quatro vezes no cartão e desfilar com aquele casaco estiloso, adquirido na ultima viagem a Buenos Aires, ou na liquidação de inverno de algum país da Europa (ai que saudades que eu tenho…).

Tem aqueles que adotam o estilo repolho. Uma blusa por cima da outra, um casaquinho leve por baixo de outro mais grosso, etc.

Até os bichos entram no clima. Cachorros desfilam alegremente pelas ruas vários modelitos outono-inverno, que vão desde uniforme da seleção brasileira  a agasalhos de grife, fazendo a alegria dos donos de pet shops.

A cariocada entra na onda da sopa e do vinho quente, crente que está  no sul do país.

E como a  memória curta não permite lembrar do último verão de calor infernal, reclama do frio, da bronquite que atacou, do sacrifício que fez porque teve que levantar no meio da noite pra pegar mais um cobertor porque só aquele não estava dando conta, minina!

Reclama por hábito, pois quando volta o calorão todo mundo tem saudades do friozinho gostoso.

Realmente, como vivemos em região de clima tropical, as casas não estão preparadas para uma temperatura ligeiramente mais baixa. E por estarmos perto do mar, o frio é úmido, dando a sensação térmica de muito mais frio.

Para mim a verdade de tudo isso é que o carioca, despojado por natureza, adora o clima mais frio porque assim pode se vestir melhor e ficar mais elegante, como os paulistas e os sulistas.

Os vestidos de alcinha e as sandálias rasteirinhas ficam guardados esperando a volta do calor.

Pena que por pouco tempo…