É…. eu continuo acompanhando a novela.  E como é a única novela que assisto, pois as outras estão mais para programação infanto-juvenil, volto a descer a lenha.

José Mayer já não é mais o garanhão maduro. Agora está mais para garanhão da terceira idade. Sua química com a Taís Araújo não funcionou mesmo. Cada vez que um diz “eu te amo” para o outro não tem a menor firmeza.

O casamento do Marcos com a Helena é inverossímil demais.

Marcos se casou com uma mulher que tem idade para ser sua filha, bonita e famosa. Ao invés de ficar satisfeito com isso e sossegar o facho, na primeira oportunidade mete-lhe um par de chifres.

 Helena, uma modelo de sucesso, mulher independente e viajada, se casa com um homem mais velho, à moda antiga, que quer que a esposa deixe a profissão e seja somente esposa.

 Ela sabia disso, ninguém a enganou. E o que ela faz? Se sente indignada quando ele reclama que ela continua trabalhando como modelo, cercada de homens lindos e bem mais jovens do que ele, viajando mundo afora e badalando horrores.

Ora, Helena, faça-me o favor, né? Se você não queria abrir mão da sua independência, casou por que? Não vá fazer como a sua colega Luma de Oliveira que se separou porque o marido podre de rico não gostava que ela desfilasse seminua no Carnaval, nem que posasse totalmente nua para revistas masculinas. E agora está na meia idade sem marido e sem convites para “trabalhos”.

Mas parece que Helena e Marcos não ficarão casados por muito tempo. O garanhão da terceira idade já mandou ver na Giovanna Antonelli, a piranha mau-carater da novela.

E não pensem vocês que tal personagem não existe na vida real! Quanta gente já abrigou uma “amiga” em sua casa e levou uma punhalada nas costas…

A menina filha da Antonelli é totalmente insuportável! Ou a atriz mirim é muito boa, ou a insuportabilidade não é interpretação, e sim realidade.

Crianças prodígio já me dão antipatia. Crianças prodígio mal educadas, interesseiras e respondonas então, pior ainda. E o que me causa espanto é que a mãe, toda vez que vai repreende-la, faz isso sorrindo e brincando, como se achasse uma gracinha as inconveniências da filha.

Porém, Helena não ficará chupando o dedo por muito tempo. Já escalaram o Thiago Lacerda para o papel de mosca de padaria, sempre rondando a Helena, à espera do momento certo para dar o bote.

Mas para não dizerem que eu só critico, algumas boas atuações me surpreenderam.

Aline Moraes no papel da moça tetraplégica está dando muito bem conta do recado, tanto na interpretação verbal quanto na não verbal. E eu paguei a língua quando dizia que modelo quando resolve virar atriz não dá boa coisa.

E Lilia Cabral que sempre foi excelente em qualquer papel, continua maravilhosa, dando muitas vezes a impressão de que leva a novela nas costas.

De resto, é um tal de marido trair mulher e mulher ter vontade de trair marido que dá uma canseira…

Depois dizem que a sociedade está mudando, que a família está acabando, que as separações aumentaram…

Bom, por hoje é só. O balaio de lenha já está cheio.