Não tenho mania de limpeza, nem compulsões.

 Não sou a pessoa mais organizada do mundo, mas me acho no meio da minha bagunça.

Não deixo para amanhã o que posso fazer depois de amanhã.

Tenho mania de pontualidade. Procuro chegar sempre antes da hora. Em eventos sociais, sigo o costume carioca de chegar pelo menos com meia hora de atraso. O pior é que muitas vezes sou a primeira a chegar mesmo assim.

Em consultas médicas, salão de beleza, etc., chego sempre um pouco antes da hora. E fico p… da vida porque na maioria das vezes tenho que esperar muito além da hora marcada.

A primera coisa que faço ao chegar em casa é tirar os sapatos e vestir meu chinelo Havaianas. Não consigo ficar calçada dentro de casa.

Em seguida tiro relógio, brincos, anéis e outros acessórios. Só fico com a aliança.

Tenho minhas “roupas de ficar em casa” que são trocadas assim que chego.

Não durmo com as portas do guarda roupa abertas e verifico se os sapatos não estão virados com a sola para cima. Superstições que herdei da minha bisavó.

Detesto cama por fazer. O quarto pode estar uma bagunça, mas a cama tem que estar arrumada. Não misturo jogos de roupas de cama. Tem que ser tudo “combinandinho”.

Tenho pavor de baratas, daquelas cascudas. É um medo paralisante. Creio que elas sabem disso, pois sempre aparecem para mim em primeiro lugar.

Quando era criança tinha medo de ficar presa no elevador, mas com o passar do tempo melhorou. Hoje só tenho um certo receio.

Converso com meus eletrodomésticos quando eles resolvem não funcionar direito. A máquina de lavar na maioria das vezes me ouve e volta ao normal.  O computador também.

De perto ninguém é normal. Nem de longe.