Meu celular toca e eu atendo a mesma ligação pela enésima vez em vários dias:

– Alô?

– Alô, eu queria falar com a Sra. Damiana.

Damiana?

– Sim.

– O senhor é parente ou conhecido dela?

– Não. Aqui é da empresa Natura.

– Eu lamento, mas a Damiana foi presa.

– Hã???

– Ela foi recolhida à carceragem da Polinter essa manhã.

– (Silêncio…)

– Aqui quem fala é a advogada dela. Percebi que o seu número aparece várias vezes no identificador de chamadas do telefone. Qual a sua relação com a minha cliente?

– Errr…. Não, nenhuma relação! Eu estou ligando da empresa Natura sobre um pedido…

– O senhor estaria disposto a depor a favor da minha cliente? O delegado que cuida do caso já pediu a quebra do sigilo telefônico dela, e o seu número está entre os mais acessados. Certamente o senhor será chamado a depor. Se puder depor a favor dela será bom, pois a situação está muuuito dificil.

– (Silêncio)

– Alô???

Desligou….

E nunca mais me aporrinhou.

Depois de um mês atendendo telefonemas para uma tal de Damiana, e depois de repetir trocentas vezes em vão que:

Não, o número está errado. Não, eu não conheço nenhuma Damiana. Não, eu não moro na Rua Tal número tal. Não, nunca ouvi falar e não sei do que se trata, resolvi apelar.

E não é que deu certo?

Fica aí a dica!